Um novo conceito em Blog Literário!

Espaço dedicado à divulgação de autores brasileiros, além de matérias e dicas sobre Literatura.
Contato: literaria15@gmail.com

Busca do Literária 15

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Onomatopimba

Nós já conversamos aqui sobre neologismo, invenção de novas palavras ou atribuição de novo sentido a uma palavra. Pois bem, hoje vamos analisar novamente esse mecanismo sob um novo prisma, falaremos sobre onomatopeia.
O sentido é simples, o conceito bem estrito, define-se basicamente como o ato de imitar um som natural através de palavras, como por exemplo, tique-taque.
Mas como sempre, podemos ir muito além das definições de um dicionário, podemos potencializar esse recurso, aparentemente simples, e evidenciar um estilo literário baseado nesse relacionamento som e palavra.
Para ser mais direto, pense na questão do sotaque, ou ainda no jeito excêntrico, que algumas pessoas falam. Seria realmente complicado reproduzir essas peculiaridades seguindo a norma fielmente. É necessário, nesses casos, uma distorção, para que o texto mostre ao leitor como o personagem realmente se comunica, é preciso destituí-lo de forma. Aí é que entra a imitação dos sons, esse ângulo que menciono, poderia até ser confundido com o neologismo, ou ainda uma junção desse com a onomatopeia. Mas veja bem que estamos falando de reproduzir falas de personagens, ou seja, estamos lidando com “sons”. Tolkien, em O Senhor dos Anéis, foi verdadeiramente um mestre nesse sentido ao reproduzir as falas de Sméagol/Gollum. O excesso da letra “s” nas palavras mostra bem como esse personagem é singular, para quem assistiu a adaptação para o cinema sabe bem do que estou falando.
Colocar seis letras “r” ou “a” no final de uma palavra ou qualquer outra parte dela, transforma completamente a visão de um leitor a respeito da expressão do personagem, em poucas falas, ele já será bem conhecido dentro da trama, isso serve tanto para personagens inventados, como também para reproduções do cotidiano.
Experimente essa ferramenta, distorça, abuse da licença poética, permita-se sair do padrão, as falas nem sempre estão sob a pena da “agramaticabilidade”. Os leitores entenderão o que quer passar e isso marcará ainda mais seu estilo.

Sucesso!
Luís Delgado